sexta-feira, 24 de maio de 2013

HERDADE DE TORAIS, VISITA


   Foi no dia 6 de Abril que fui até ao Alentejo, Montemor-o-Novo, onde está situada a Herdade de Torais. Fernando Pedro Pereira Coutinho é produtor de vinhos mas também tem exploração de cereais, pastagens e gado bovino. Mas foram os vinhos que me levaram até estas terras maravilhosas. A herdade tem cerca de 200 héctares, mas em vinha são somente 20 héctares que tem em produção, escolhendo cerca de 10% para fazer os vinhos da Herdade de Torais, vendendo a restante uva. A herdade não tem adega própria, recorrendo a uma adega que aluga para fazer os vinhos e deixar a estagiar.






   Os vinhos já estavam à nossa espera, e, antes de almoçar um maravilhoso cozido à portuguesa, provámos os brancos e um rosé. Herdade de Torais Branco 2012, está prontinho para sair para o mercado mas ainda à espera do melhor momento. Ainda muito jovem, frutado, cítrico, muito vegetal e a deixar ligeiro amargo no final, com a madeira ainda a moldar-se, boa acidez, complexo e encorpado. Seguiu-se o Herdade de Torais Branco 2011. Excelente evolução. Boas notas de fruta madura, mais suave que o 2012, boa complexidade, acidez alta, fresco, bom corpo, com baunilha ligeira e toque de manteiga. Intenso e de final médio. Está no ponto. Provámos um Rosé 2012, que não está nem vai para venda, somente para consumo do proprietário, na qual tenho pena, pois gostei bastante. Framboesas, ligeiro doce mas sem chatear, frescura, boa acidez e toque floral. Feito com Syrah e Touriga Nacional. 



 Os vinhos foram acompanhados de queijos e enchidos da zona.



Seguiu-se o almoço, onde pudemos provar o Herdade de Torais Tinto 2008 que acabou de sair para o mercado. Fruta madura com ameixa passa, ligeiro chocolate. Frutado, acidez alta, frescura, encorpado, complexo e com final longo. Por gentileza do proprietário, seguiu-se o Torais Tinto 2004, Torais Tinto 2005 e para finalizar o Torais Reserva 2007. O primeiro, mostrou-se cheio de vida, com notas de cacau, ligeiro balsâmico, fruta passa, compota, com boa acidez, frescura e alguma evolução. O 2005 mostrou muita frescura, mais frutado, chocolate e notas de café, com ligeira adstringência no final. Bom corpo, intenso e final longo. E por fim, o Reserva 2007, muito vibrante, fruta bem presente, muito seco, complexo, intenso, músculado. Dos tintos, o 2005 está perfeito, é pena já não haver para comprar.



 Depois do almoço, um passeio pela herdade de trator, com uns belos bancos de palha. Ou se está no campo ou não se está. Uma visita guiada pelas vinhas, e por toda a herdade. Soube bem e a vista era linda.











 Mais umas explicações do Dr. Fernando Pedro Pereira Coutinho

E final da visita. Podem encontrar este vinhos à venda em garrafeiras, no El Corte Inglês e alguns restaurantes.

Herdade de Torais Branco 2012
Nota: 15
Preço: ainda não se encontra no mercado

Herdade de Torais Branco 2011
Nota: 16
Preço: a rondar os 9€

Herdade de Torais Tinto 2008
Nota: 15
Preço: a rondar os 9€

Herdade de Torais Reserva Tinto 2007
Nota: 16,5
Preço: a rondar os 24€

Herdade de Torais Tinto 2004
Nota: 16,5

Herdade de Torais Tinto 2005
Nota: 17,5
Enviar um comentário