segunda-feira, 30 de março de 2015

POUCA ROUPA by JOÃO PORTUGAL RAMOS

Uma coisa que muita gente está à espera, é que venha o calor, o Verão, precisamente para poderem andar com pouca roupa. Estes vinhos são o recente lançamento de João Portugal Ramos, e é a primeira vez que o produtor faz um lançamento de um vinho desta gama, pois até agora só os topos de gama e reservas tinham esse tratamento.

Estes vinhos seguramente vão surpreender pela positiva. Vinhos com frescura, nada pesados, vinhos muito eequilibrados, onde a fruta, acidez  e alcool  são bem trabalhados para dar ao cliente um produto final muito interessante. Gostei dos 3 vinhos, mas o branco deixou-me bastante satisfeito. O Pouca Roupa Tinto é feito com as castas Alicante Bouschet, Touriga Nacional e Alfrocheiro, o Pouca Roupa Branco 2014 com as castas Verdelho, Sauvignon Blanc e Viosinho, e o Rosé Pouca Roupa 2014 é feito com Aragonez, Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon. Estes são os primeiros vinhos de João Portugal Ramos e seu filho João Maria, que teve um papel muito importante, pois é ele que seguiu todo o processo e vai continuar a desenvolvê-lo. Vinhos jovens, fáceis, para estar à conversa com amigos ou um simples jantar descontraído. Sempre com Pouca Roupa.  

quinta-feira, 19 de março de 2015

QUINTA DOS ROQUES TINTO 2009


Um vinho do Dão que não agradará à maioria dos consumidores. Personalidade própria, mostra bem o perfil do Dão, um vinho que precisa de comida por perto para brilhar. Cada vez gosto mais de vinhos assim, que não enjoam à mesa, onde não se nota o açucar, o doce, o novo mundo. No nariz é intenso, com notas vegetais e alguma tosta em destaque. Na boca é um vinho com boa frescura, boa acidez, alguma fruta. O Alfrocheiro sobressai bem do conjunto. Um vinho bem feito, pronto a beber e que quer por perto um bom prato para o acompanhar.

QUINTA DOS ROQUES 2009 | Dão | 13,5% | Tinto
Touriga Nacional | Alfrocheiro | Jaen

6€  |  Bom

QUINTA DOS TERMOS TOURIGA NACIONAL RESERVA 2007


Entrei na garrafeira Estado D' Alma e num giro rápido pelas garrafas, encontrei este Quinta dos Termos Touriga Nacional Reserva 2007. Gosto da região, gosto dos vinhos deste produtor, e sem hesitar comprei. Muito bom vinho, ainda cheio de força, com a fruta ainda bem viva, com uma cor violeta opaco. Um vinho que está prontinho para se beber, com uma elegância expressiva, a cada contacto com o copo, vamo-nos deliciando cada vez mais. Um ano quente, boa uva e um bom trabalho, dá isto. Ainda há lá umas garrafas, aproveitem e comprovem. Não chega a 6€.

segunda-feira, 2 de março de 2015

QUINTA DO CORUJÃO TINTO 2012

A região do Dão deu um grande salto nos últimos anos, mostrando que é uma das regiões onde se faz bom vinho, a bom preço, especialmente nos de gama de entrada. Este não foge à regra. Um vinho bem feito, a notar-se bem a fruta mas sem demasiada concentração, muita frescura, jovem, bem polido, fácil, sem enjoar à mesa. Uma relação qualidade/preço bem presente. Um vinho muito agradável, com uma intensidade média e final médio, a mostrar-se ser uma excelente companhia para quem quer um vinho para o dia-a-dia, sem grandes pretensões.

QUINTA DO CORUJÃO 2012 | Dão | 13% | Tinto
Touriga Nacional | Tinta Roriz | Alfrocheiro | Jaen

3,99€ no Intermarché Mafra |  Bom

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

RIPANÇO 2013

  Ripanço, era uma maneira de desengaçar as uvas manualmente, em cima de umas ripas de madeira, que, ao ser feito desta maneira, os taninos do engaço não eram extraídos e resultavam  vinhos mais macios, suaves e mais elegantes. É sempre bom não se perder certas tradições, e a José Maria da Fonseca lança este vinho para homenagear este estilo. Quanto ao vinho, apresenta-se um vinho com boa concentração de cor, frutado, bons aromas a frutos negros, jovem. Na boca é um vinho com algum corpo, fruta presente, suave, boa intensidade e de final médio/ longo.

Um vinho interessante, boa relação qualidade/ preço, jovem, fresco e guloso. Uns queijos de vaca ligeiramente curados acompanham muito bem este néctar.
 
 
RIPANÇO 2013 | Alentejo | 13,5% | Tinto
Syrah 48% | Aragonês 32% | Alicante Bouschet 20%
Domingos Soares Franco |

6€ |  Bom

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

h´OUR TINTO 2010


Uma nova marca do Douro a aparecer no mercado. A empresa é a PNC, Parceiros na Criação, liderada por Joana Pratas e João Nápoles. E se aparecem, é porque existe mercado, espaço, e como em tudo na vida, com trabalho, dedicação e bom produto, se consegue passar para trás aqueles que já cá estão mas que pouco fazem. Neste momento têm mais vinhos e um azeite, mas vamos ver este tinto que me agradou imenso.

O vinho é feito na sua maioria de Vinhas Velhas, ao que se juntaram Touriga Nacional e Sousão. Aromas a cacau, violetas e especiarias a predominarem. Na boca é um vinho frutado, com notas balsâmicas e ligeira baunilha, intenso e de final longo. Bom equilíbrio entre fruta e acidez, e a mostrar um final seco muito interessante, mostrando logo muito potencial para acompanhar comida sem enjoar.

h´OUR 2010 | Douro | 14% | Tinto
Vinhas Velhas | Touriga Nacional | Sousão

9,5€ | 16 - Muito bom

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

PROCURA TINTO 2011


Finalmente foi em 2011 que Susana Esteban encontrou as vinhas que tanto procurava para fazer o seu vinho, o seu projecto pessoal. Depois de muito vasculhar pelas terras alentejanas, finalmente encontrou duas vinhas, uma de Alicante Bouschet perto de Évora, e outra uma vinha de mistura de castas, perto de Portalegre. E sirgiu este magnífico vinho. Um vinho escuro, denso, opaco, dá-nos aromas atraentes como ameixa seca, tabaco e ligeiro cacau. Também se encontra notas ligeiras de vegetal. Na boca é guloso, mas com frescura, potente mas delicado, intenso mas com elegância. Um vinho alentejano de excelência.

PROCURA TINTO 2011 | Alentejo | 14,5% | Tinto
Alicante Bouschet 40% e Castas tradicionais de Portalegre 60%
Susana Esteban |

28€ | 17,5 - Muito bom

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

CASAL DO RAMILO ARINTO 2012

Este é um projecto novo na zona de Sintra, mais propriamente em Alqueidão, na Quinta Casal do Ramilo. Este produtor vem de longe na produção de vinho, quando Manuel Francisco Ramilo iniciou no século XX. A velhice levou—o a abandonar no final do mesmo século a actividade. Mas agora a juventude dos mais novos ergueu a Quinta e voltou a comercializar os seus vinhos tão apreciados na região. E pela mão do enólogo Virgílio Loureiro surge este Arinto, com aroma muito fresco e delicado, com citricos suaves e flor branca. Na boca é um vinho com boa frescura, mineral, ligeiro salgado, e com acidez bem integrada com a fruta. Corpo médio e final curto. Um vinho muito agradável para esta época.

Nota: 15,5
Preço: a rondar os 11€