quarta-feira, 16 de novembro de 2011

IMPERIUM GRANDE ESCOLHA 2001 TINTO

Caves do Freixo tem como filosofia fazer vinhos saudáveis. Nos vinhos desta casa só entra a uva e mais nada, pois se a uva for de qualidade sairá com certeza um vinho de qualidade, sem adição de açucares nem outras coisas. Este vinho nasceu na Quinta do Farfão, de vinhas velhas com mais de 80 anos e fermentou espontaneamente sem desengace em lagar de pedra. Com isto, obteve-se um vinho natural.  Não houve filtragem, o que esperava o tal "pé", mas isso quase não aconteceu porque transpirava juventude. O aspecto mostrou-se limpido, cor vermelho com nuances acastanhados e de lágrima presente e persistente. No nariz, magnífico. Complexo, fruta madura e especiarias, couro, terroso. Na boca, sendo este vinho de 2001 e estando em perfeitas condições, mostrou-se muito bem à mesa, pois gastronómicamente espectacular. Taninos presentes mas macios, suave, encorpado, intenso, com grande frescura e excelente acidez, com final de boca muito persistente. Grande vinho do Douro, de grande qualidade.












Nota: 17,5
Preço: 350€
Produtor: Caves do Freixo
Enólogo: Rui Alves

5 comentários:

Hugo Mendes disse...

Vinhos saudáveis? Sem adição de açúcares e outras coisas? Medo…. Muito medo!
Diz-me lá como é que um vinho que não levou nada, nada, se mantém fresco e não volatilizado ao fim de 10 anos (mesmo aceitando que tenha sido engarrafado logo). Penso que muito enólogo de Portugal pagaria bem para saber.
Tenho muito respeito pelos vinhos biológicos, mas essa mania de rotular os outros de maus para valorizar os nossos… simplesmente não me passa.
Tenho curiosidade em conhecer os parâmetros desse vinho.
Onde encontro para provar? Fiquei curioso!
Abraço
HM

Unknown disse...

Amigo Hugo, enologia não é a minha área, não dizendo que não gostasse que fosse. O que me foi transmitido foi o que escrevi e acredito que haja produtos que se adicionem que façam menos mal que outros. Mas posso perguntar ao produtor se quer vir aqui explicar o que diz.

Hugo Mendes disse...

Seria interessante.
Contudo deixa-me acrescentar que não existem vinhos saudáveis. Fisiologicamente a quantidade de álcool é superior a qualquer outro componente que o vinho tenha e possa ser benéfico. Se depois há efeitos não fisiológicos que influenciam os filológicos e que no balanço geral possamos ter um balanço positivo… isso já é outro 500.
Os produtores que conheço usam açúcar (mosto concentrado) na tiragem do espumante (a operação que lhe permite fazer o gás). E é só!
Mesmo o leite tirado directamente da vaca te pode fazer mal, ao passo que aquele outro que foi pasteurizado só te benificia. As coisas não são melhores por serem “naturais”. Eu, por exemplo não como agriões que não venham de estufa, tu comes?
É preciso entender-se de uma vez por todas que em enologia moderna utilizam-se essencialmente produtos para tirar e não para colocar. Utilizo colas para as proteínas, para os polifenois e para o que o vinho tiver em excesso se e quando este necessitar.
Penso, e aqui posso estar a cometer a grande calinada, que até os vinhos biológicos, usam fontes de dióxido de enxonfre como conservante. Esse é o único componente do vinho (entre os legais e grande parte dos ilegais) que faz verdadeiramente mal se utilizado em excesso. Felizmente temos legislação que nos obriga a trabalhar com valores máximos, muito, mas muito abaixo do mínimo que afecta o ser humano.
Mais uma vez afirmo que tenho respeito e curiosidade pelos vinhos biológicos, biodinâmicos e afins, contudo não engulo que se aproveite a ignorância dos consumidores para virar a bitola. Estes vinhos têm argumentos mais do que suficientes para se fazer valer. Basta uma boa história, um toque de paixão e uma boa estratégia de marketing. Não precisam nada de enganar o consumidor.
Forte abraço.
PS.: tenho mesmo curiosidade em provar o vinho. onde o encontro?

Hugo Mendes disse...

Esquece o provar. não tinha visto o preço!

Bodhisattva disse...

A questão é que não existem vinhos bilógicos em lado nenhum..As uvas poderão ser obtida por método de produção biológico, o vinho ainda não. Daí que hajam "vinhos mais biológicos que outros"...
Hugo alguns produtores injectam azoto para proteger o vinho...