segunda-feira, 16 de julho de 2012

NOCTURNOS LANÇADOS EM LISBOA

Foi no passado dia 12 de Julho que o produtor dos vinhos Damasceno, da região de Setúbal,  lançou os seus novos vinhos Nocturno Tinto 2011 e Nocturno Branco 2011. Estes vinhos são feitos apartir de uvas colhidas à noite, onde se consegue obter mais frescura da fruta e conseguir que ela chegue à adega e seja de imediato trabalhada sem ter que esperar que a fruta arrefeça. Com o trabalho do enólogo Nuno Cancela de Abreu e a sua equipa, nasce estes dois vinhos, o branco feito com a casta Moscatel Graúdo e o tinto nasce de um blend das castas Shiraz, Aragonez e Castelão. Já existem em Portugal alguns produtores a apostar na vindima nocturna, mas por o fazerem também os seus vinhos saem um pouco inflacionados. Este produtor não quis que isso fosse influência de mercado e lança os vinhos a um preço justíssimo, entre os 4,5€ e os 5€. 

Começámos por provar um Damasceno Rosé 2010 enquanto não chegavam todos os convidados.



Cor rosa brilhante, com ligeiro alaranjado no rebordo do copo. Mostrou-se fresco, ligeiro adocicado, a surgir um floral interessante. Corpo médio, boa acidez, vegetal. Um vinho mais gastronómico, para pratos com molhos de tomate como pizzas ou alguns pratos italianos. Final médio e vegetal.  14



Passámos então aos reis da festa. Nocturno Branco 2011, amarelo pálido com ligeiros esverdeados. No nariz, ligeiro mel, flores, muito floral mesmo, frutado, muito elegante. Na boca seco, fruta madura, muita frescura, acidez alta, intensidade alta e de final de boca médio. Um vinho para ser servido sempre fresco, pois a casta não ajuda quando o vinho sai da temperatura ideal e se mostra um pouco enjoativo, mas sabendo isso, não é desculpa para não ser servido bem fresco, e com isso tirar o máximo prazer que ele nos pode dar. Gostei bastante. 15




Depois seguiu-se o Nocturno Tinto 2011. Cor vermelho escuro, muita fruta, exuberante, intenso, frutos negros, ligeiro eucalipto, noz moscada. Na boca, seco, encorpado, mas muita frescura e uma acidez muito presente e bem casada com a fruta. Intenso, bom corpo, e com final médio/longo. 16

E porque o vinho é de extrema importância na nossa mesa e gastronomia, testámos os 2 vinhos com um menú existente no restaurante Rubro, pois não queriam condicionar com alguma comida feita para os vinhos. Os vinhos portaram-se à altura, mostraram ser bastante gastronómicos, com frescura e acidez bem equilibradas e a casar muito bem com a comida, sendo para o Nocturno Branco umas entradas de cogumelos, queijo e uns ovos com batata, e para o Nocturno Tinto uma carne de vaca grelhada com pedrinhas de sal grosso por cima e a ser uma companhia perfeita.

Queria agradecer a Vera Casanova pelo convite, ao Nuno Cancela de Abreu pela boa conversa e explicação de tudo o que lhe perguntava-mos, e a todos os presentes.
Enviar um comentário